Consciência ecológica vem de berço.

 

Gostaria de apresentar para vocês uma pessoa incrível: Melissa Castilho Diamantino! Ela é minha amiga e consultora da Hadamantine, uma empresa especializada em gestão de negócios e que atualmente está desenvolvendo um projeto com impacto social para a reinserção de idosos das classes C, D e E no mercado de trabalho. Esse projeto com certeza merece um texto só para ele.

Como você pode ver, adoro os artigos dela! Veja agora um deles, que é uma reflexão sobre a interdependência entre a criança, a natureza e a espiritualidade.

“A criança é a natureza se tornando humana”*

Como não parar o tempo para apreciar uma criança correndo livremente sobre um tapete gramado – verde e fresco –, por entre árvores e flores, expressando sua sensibilidade com alegria? Se estiver descalça então, melhor ainda! Pois estará em contato direito com as raízes da terra, ou seja, com as “suas próprias raízes”.
A partir dessa contemplação, associada a algumas leituras e palestras assistidas, comecei a pensar sobre como definir uma relação, inexoravelmente existente, entre a criança, a natureza e a espiritualidade.
Primeiramente vamos pensar na natureza, ou pelo menos, naquilo que compreendemos por natureza, nossas matas, nossas terras, nossas águas e nossos animais.
Estar em contato com esses ambientes e seres nos traz uma sensação gostosa de relaxamento e bem
estar, e, para muitos de nós, assim como eu, também um sentimento de “pertencimento”.
Segundo a teoria de biólogos e pesquisadores, por termos afinidade inata com todas as coisas
vivas, necessitamos tanto da aproximação da terra e do verde, quanto de relações sociais.
Outros estudos comprovam que o contato com a natureza pode melhorar o humor, aumentar a
expectativa de vida e reduzir o processo de envelhecimento das células.E há também pesquisas – bastante consistentes – que afirmam que estimular crianças a brincar na terra pode ser muito bom para melhorar a capacidade de concentração e o desenvolvimento cognitivo; além de fortalecer laços afetivos e de gerar alegria.
Por essas razões, ensinar uma criança a amar a natureza significa ensiná-la a amar a si própria e a seu semelhante, a observar seu corpo, seus instintos e, especialmente, a desenvolver valores como o respeito, a solidariedade, a generosidade e a união. Sentimentos esses tão escassos, e despercebidos, em nossa sociedade atual.
Porém, hoje em dia essas recentes gerações estão sofrendo pela ausência de natureza em suas vidas.
Talvez pelo desinteresse inato, ou pela falta de incentivo de seus pais, muitas delas ainda não adquiriram o hábito salutar de acessar a natureza – seja pela caminhada em parques e praças,
ou até pelo simples ato de cultivá-la em seus lares cuidando de um vasinho com plantas –. O modismo atual é se deixar levar pelos fascinantes bombardeios da tecnologia, com seus inebriantes “mundos paralelos”, desenvolvidos como alternativas de fugas do mundo real, o que poderá transformá-los em adultos insociáveis. Um transtorno conhecido como “déficit de natureza”.
E nós, “seres adultos”, somos, em parte, responsáveis por esse distanciamento e, sobretudo, pela ausência de uma “consciência ecológica”, mais abrangente, mais participativa e mais integradora.
A palavra “natureza” provém da palavra latina natura, que significa “qualidade essencial, disposição inata, o curso das coisas e o próprio universo”. É a tradução para o latim da palavra grega, que em seu significado original fazia referência à forma inata que cresce espontaneamente, plantas e animais.
Se não aproximarmos e integrarmos nossas crianças com a natureza, como podemos esperar que elas desenvolvam o respeito por ela, e possam preservá-la e conservá-la no futuro, para se beneficiarem de suas belezas, suas cores, seus aromas e seus sabores?
Uma “consciência ecológica” não se limita apenas ao cuidado com o que chamamos de “verde”, de “terra”, de “água” ou de “animais”. Faz-se necessário uma reflexão, emergencial e transformadora, sobre um novo paradigma conceitual, para finalmente compreendermos que conservar nossos ambientes naturais significa conservar a nós mesmos.
Ecologia é relação, inter-ação e diálogo de todos os elementos existentes (viventes ou não) entre si e com tudo o que existe. Não tem a ver apenas com a natureza (ecologia natural), mas principalmente com a sociedade e com a cultura (ecologia humana e social). Pois tudo o que existe coexiste. Tudo se relaciona com tudo, com todos e em todos os pontos.
E é justamente “nesses pontos” que entra a espiritualidade, como uma maneira de compreendermos e de valorizarmos essa integração com a natureza, com a Terra e com o universo.
O espírito, de que deriva a palavra espiritualidade, é, em seu sentido originário, todo ser que respira.
Portanto, é todo ser que vive, como o ser humano, o animal e a planta. Mas não só. A Terra toda e o Universo são vivenciados como portadores de espíritos, porque deles vem a vida, são eles que fornecem todos os elementos para a vida e mantém todo o movimento criador. Espiritualidade, então, é um modo de pensar, uma atitude, que coloca a vida no centro, que a defende e a promove.
É uma forma de acreditar e entender que todas as coisas se ligam e se religam.
Sendo assim, só posso concluir que, a criança está para a natureza, assim como a natureza está para a espiritualidade. Pois estamos todos, inevitavelmente, interligados, como nós de uma única rede… como fios entrelaçados de um só tecido… como folhas de uma mesma árvore.

* Expressão criada por Rita Mendonça, bióloga e socióloga, divulgadora no Brasil de uma metodologia de educação ambiental através do Instituto Romã

Fontes: Livro Ecologia, Mundialização, Espiritualização – Leonardo Boff, Revista Planeta, Revista Mente e Cérebro.

Lindo, né? Emocionante pensar que estamos todos interligados, em uma única rede, como fios entrelaçados de um só tecido… como folhas de uma mesma árvore.

Ensinar nossos filhos sobre a conscientização ecológica, sobre conservação e preservação é um dever nosso. Vamos?

Para conhecer mais o trabalho da Melissa Castilho Diamantino, veja e inspire – se:

https://www.facebook.com/pages/Hadamantine-Desenvolvimento-de-Neg%C3%B3cios-e-Planejamento-Estrat%C3%A9gico/435912209779518?fref=ts

melissa1